Não tenho como não falar da CRISE II

O mundo está em transe! Esta semana o mundo pareceu que estava chegando ao fim. Mesmo com todas as ações dos governos que já foram feitas, prometidas, etc, nada parece dar resultado. Mas tem alguma coisa muito errada nisso e ninguém está percebendo (ou fingindo que não percebe).
O que ninguém questiona é uma coisa muito simples: Porque temos que ajudar o mercado financeiro se eles sempre criticavam quando o governo ajudava outros setores da economia? Era só um setor afirmar que estava em crise, que necessitava de ajuda para manter a economia real funcionando que os apologistas do mercado financeiro logo ligavam seus megafones e clamavam contra a heresia do governo se intrometer no todo poderoso mercado. Para eles, uma intromissão do governo no mercado beirava uma blasfêmia!! Agora, tudo mudou!
Por mais que os governos despejem dinheiro no mercado financeiro, eles pedem mais. Nessa semana o mundo já brindou o mercado com bilhões de dólares, e nada. Querem mais e mais...
Na verdade, deveríamos fazer o que eles sempre falavam para fazer: "deixem o mercado reencontrar seu ponto de equilíbrio, só assim teríamos um uso eficiênte dos recursos da sociedade." Mas eles esqueceram tudo que disseram no passado, estão todos clamando por mais dinheiro da sociedade para sanar sua ansiedade e ganância.
Mais uma vez venho aqui para criticar tudo isso que estamos assistindo pela tv, na internet e etc. Mas estou principalmente pedindo coerência desses financistas. Por anos e anos criticavam tudo que os governos fizessem em termos de uma política econômica voltada para o desenvolvimento econômico. Agora, quem vai pagar a conta dessa farra somos nós, e nem fomos convidados para a festa!
A Finlândia estatizou todos os bancos do seu país e não apareceu nenhum banqueiro criticando. Talvez tenham todos aderidos ao socialismo, mas até quando?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque apoiar políticas de desenvolvimento regional? Idéias sobre alguns dos dilemas atuais do desenvolvimento brasileiro.

Pequena Introdução ao Desenvolvimento: enfoque interdisciplinar

Por que as nações fracassam: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza