Não tenho como não falar da CRISE!


Para onde quer que se olhe, um tema tem tomado o mundo de assalto: a crise financeira global. Para muitos, uma crise anunciada, para outros, o fim de um ciclo de crescimento baseado no nada, outros ainda vêem com surpresa o que está ocorrendo no mundo. A única unanimidade parece ser a certeza de que o mundo não passará inócuo a esta crise que teve como epicentro o mercado financeiro americano.
Vivemos em um mundo onde o mercado financeiro assume um papel fundamental no movimento da economia. Na minha opinião, um papel muito maior do que ele tem de fato, por uma simples razão: dinheiro não cria valor!
Dinheiro é papel, logo, não é capaz de, por si só, fazer nada. Na verdade é a combinação de dinheiro e trabalho que geram valor, geram riqueza, produtos e serviços para a sociedade. Então, porque tanto sofrimento por um pedaço de papel?
Desde que nascemos somos bombardeados com a idéia de que é o dinheiro que faz, que pode, que faz e acontece no mundo. A verdade não é bem assim. A verdade é que o dinheiro não é capaz de fazer nada. Quem realmente tem o papel de transformar o mundo não é o dinheiro, mas sim o trabalho. Basta olharmos em volta, nas ruas, prédios, escolas, carros, etc. Tudo que foi produzido pelo homem, foi feito pela ação do trabalho. Dinheiro não dá aula, não dirige caminhão, não levanta parede!
Mas porque estou falando dessa relação entre dinheiro e trabalho? Por uma razão muito simples: a de que todas as propostas que aparecerão para solucionar (ou minimizar) tal crise, será de reduzir os recursos públicos de funções essenciais da sociedade e drená-los diretamente para os bancos. Todas as propostas que estão aparecendo agora são nesse sentido, tirar dinheiro da sociedade e repassá-lo para os bancos. Logo eles que causaram a crise, agora vão ser premiados com dinheiro público!
Enquanto os bancos lucraram gigantescas margens de lucros com a ciranda financeira que criaram em cima das hipotecas americanas, agora que estão tendo prejuízos, as pessoas que não tem nada haver com isso pagarão a conta. Ou seja, privatizaram os lucros e socializaram os prejuízos, e ainda se dizem contra o socialismo!!
Sei que minha posição vai de encontro ao pensamento dominante, mas basta analisar com calma e sem interferência dos noticiários bombásticos da televisão que verão que minha opinião não é tão fantasiosa assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque apoiar políticas de desenvolvimento regional? Idéias sobre alguns dos dilemas atuais do desenvolvimento brasileiro.

Pequena Introdução ao Desenvolvimento: enfoque interdisciplinar

Por que as nações fracassam: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza