iPhone: uma peça de marketing!



Gostem ou não, depois do lançamento do iPhone, toda a indústria mudou, teve que se adaptar ao novo padrão imposto pelo smartphone da Apple.

O principal atrativo do aparelho, sua tela multitouch, e sua facilidade de uso até por novos adeptos dessa tecnologia se tornou padrão para todo o segmento. Mesmo antes dele já existiam aparelhos com telas sensíveis ao toque, mas nada perto do que é capaz de fazer o iPhone, daí a loucura de lançamentos de praticamente todos os grandes fabricantes com essa e outras inovações tecnológicas.

Nokia, HTC, RIM, Samsung, LG, enfim, todos eles têm agora aparelhos similares ao iPhone, mas nenhum tem o charme e, principalmente, o marketing dele. Entre todos os fabricantes, sem dúvida nenhuma a HTC tem mostrado um fôlego imenso de lançamentos de aparelhos com os mais diversos formatos, inclusive sendo o primeiro com o Android, o software desenvolvido pela Google para os aparelhos móveis. Seu mais recente lançamento é um aparelho com a tecnologia WiMAX, o HTC Max 4G. Com toda a tecnologia disponível para um smartphone presente nele, desde GPS, wifi, duas câmeras, acelerômetro, etc, etc, esse aparelho (que se assemelha muito com o HTC HD) supera e muito o aparelho da Apple em tudo, menos um quesito: marketing!!

Na verdade, o grande objetivo da Apple com seu telefone não é o telefone em si, mas a capacidade que ele teve de alavancar as vendas de todos os outros produtos da empresa. No Brasil, por exemplo, a venda de produtos da Apple cresceu enormemente após o iPhone. Desde seu lançamento, passou o a ser o queridinho da mídia de uma forma geral, passou a ser mais um produto de moda!

Enquanto os outros fabricantes de smartphones lutam para superar tecnologicamente o iPhone (e conseguiram até com uma certa folga!), a empresa de Jobs vai crescendo firmemente, pois uma coisa é certa: ninguém faz marketing como os americanos!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pequena Introdução ao Desenvolvimento: enfoque interdisciplinar

Por que as nações fracassam: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza

Porque apoiar políticas de desenvolvimento regional? Idéias sobre alguns dos dilemas atuais do desenvolvimento brasileiro.