Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2009

Meu próximo smartphone!

Imagem
Desde ontem está acontecendo em Barcelona o Workd Moble Congress. Evento anual que traz as novidades em Celulares e afins que serão lançadas em breve.
Não preciso dizer aqui novamente que sou um grande admirador da HTC e também do Google (quem não é?!). Pois bem, hoje eles lançaram um novo aparelho com a plataforma do Android, o HTC Magic. Esse vai ser o meu próximo smartphone, não vejo a hora de chegar no Brasil.
Equipado com tudo que um bom aparelho deve ter hoje em dia, corrigindo algumas deficiências do G1, como por exemplo, ele agora pode gravar vídeos e mandar diretamente para o Youtube, e principalmente pela excelente integração com os serviços do Google, esse sim, além de funcional e um belo aparelho. 
Já estou esperando o meu!!!!!!!!!

Mais novidades da HTC

Imagem
A empresa HTC acaba de lançar dois novos Smartphones, o Touch Diamond 2 e Touch Pro 2. Com desenhos elegantes, molhoras no WM e com várias inovações, inclusive com a possibilidade de fazer conferências... Equipados com todos os recursos possíveis, inclusive com câmera de 5 MP, são aparelhos fortes em um mercado cada dia mais competitivo dos dispositivos móveis. Assim que tiver mais informações disponibilizo pra vocês...

Para sair da crise econômica.

Imagem
Realmente 2009 vai ser um ano "daqueles"! Todo o dia surge alguma notícia de uma grande empresa anunciando a demissão de milhares de trabalhadores. Segundo dados da OIT (Organização Internacional do Trabalho), serão, pelo menos, 50 milhões de desempregados até o final do ano em todo o mundo.

São número preocupantes, porque indica que precisa-se fazer algo com muita urgência e eficácia para evitar que milhares de trabalhadores e as empresas entrem numa espiral de quebradeira e aprofundamento ainda maior da economia. Mas o que algumas pessoas sugerem, principalmente no Brasil, beira ao absurdo.

Em situações como esta, o Estado não pode simplesmente agir como uma empresa, ou seja, cortar custos, empregos e outras ações restritivas. Na verdade, como ensinou a mais de 50 anos Lord keynes, cabe o Estado o papel de agente ativo, isto é, agir de forma expansionista para minimizar o máximo possível os efeitos da crise. Em outras palavras, deve aumentar os gastos com investimentos, a…