Mídia em Debate

Email recebido hoje da Carta Maior e publicado aqui para convidar a assistir, através do site, o debate sobre Mídia Brasileira. Imperdível!!

A justificativa do evento, por sí só, já é um primor e vale a pena ser lida, independente de ver o debate, daí a razão desse post. Obrigado e todos e boa leitura!








A Mídia em Debate
Carta Maior cumpre mais uma vez sua determinação de contribuir para a discussão dos desafios brasileiros ao promover um debate sobre a mídia em nosso país. Hoje, mais que nunca, a pertinência desse tema tornou-se imperativa na pauta dos interesses acadêmicos, profissionais e políticos. Vivemos um momento singular da sociedade brasileira e mundial. A história apertou o passo. A crise internacional jogou uma transparência vertiginosa sobre mitos e dogmas que formavam o núcleo duro da hegemonia conservadora, abrigada sob o genérico guarda-chuva do 'neoliberalismo'. Quase todos os dias, não raro várias vezes num mesmo dia, a realidade das falências, fraudes e calamidades produzidas pelo colapso dos mercados desregulados desmente rios de tintas, e florestas inteiras de papel jornal utilizados nas últimas décadas. O pensamento crítico e a universidade devem à cidadania o garimpo meticuloso do material tóxico constituído de mitos, mentiras e dissimulações vocalizados pela usina midiática nesse período. Tudo o que era sólido se desmancha no ar. O esfarelamernto do 'cuore' midiático, porém, longe de inaugurar um ciclo de auto-crítica do jornalismo brasileiro, acionou uma radicalização antecipada da disputa por 2010. O engajamento das manchetes sobe de tom diariamente. Não o engajamento legítimo, assumido e transparente que Carta Maior defende e respeita. Mas, sim, uma fantasia de verdade. Beneficiada pelo quase oligopólio sobre a formação da opinião pública, ela subordina os interesses gerais da sociedade aos interesses particularistas encastelados na chamada grande imprensa. Episódios como a fraude recente cometida pelo jornal Folha de São Paulo, em reportagem que envolveu o jornalista Antonio Roberto Espinoza, e a ministra Dilma Roussef, sinalizam -- ao que tudo indica-- a exacerbação de um método. Não um tropeço na prática do conservadorismo. A crise, portanto, agudiza conflitos e vulnerabilidades de um sistema de comunicação que nunca refletiu a pluralidade dos interesses sociais. Mas que agora se torna ainda mais estreito e pernicioso. Assim como os governos buscam ferramentas anti-cíclicas para enfrentar o colapso dos mercados, a sociedade necessita, urgentemente, fortalecer sistemas de comunicação anti-monopolistas. Do contrário, a evidente derrota da agenda conservadora evidenciada pela crise mundial, será rebaixada ou reescrita, com requintes de uma novilíngua, para beneficiar candidaturas representativas dos seus interesses em 2010. Esse é o desafio que motivou Carta Maior a organizar esse evento, convidando alguns dos mais expressivos nomes do jornalismo e da academia brasileira e um destacado professor da Universidade de Buenos Ayres. Temos a certeza de que este encontro contribuirá para ampliar a frente de forças progressistas sobre a qual recai a inadiável tarefa de reforçar a democracia, alargando a pluralidade do jornalismo posto a serviço da sociedade brasileira.


O que: A Mídia em Debate
Quando: Reapresentação nesta terça-feira (28/04), a partir das 16 horas


Participaram do evento:
Laurindo Leal Filho
Professor da Universidade de São Paulo-SP
Venício Lima
Pesquisador da Universidade de Brasília – UnB
Luis Nassif
Jornalista
Damian Loreti,
Professor da Universidade de Buenos Aires – Argentina
Participações Especiais:

Antonio Roberto Espinosa,
Professor da Escola Pós-Graduada de Ciências Sociais (FESP) e da Escola Superior Diplomática
Ivan Seixas
Jornalista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque apoiar políticas de desenvolvimento regional? Idéias sobre alguns dos dilemas atuais do desenvolvimento brasileiro.

Pequena Introdução ao Desenvolvimento: enfoque interdisciplinar

Por que as nações fracassam: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza